Bem vindo (a)!
Home > Destaques > Muitas coisas me inquietaram e senti-me no dever escrever…

Muitas coisas me inquietaram e senti-me no dever escrever…

No domingo passado o jornal Zero Hora publicou uma reportagem sobre a diminuição de católicos em nosso país. Muitas coisas me inquietaram e senti-me no dever escrever.

Há um mês aproximadamente, busquei apoio para divulgação de um espetáculo (de âmbito nacional) que a Cia de Artes Shalom, de Fortaleza, apresentaria em nossa região, mas, argumentaram que era difícil de conseguir espaço na RBS para a Igreja Católica.

Diante disso, pondero dois pontos:
A mesma Cia de Artes, que esteve aqui, quando foi a Florianópolis, conseguiu espaço (se não me engano) em duas emissoras de TV aberta. E nós, nem uma nota em jornal ou alguns segundos em rádio conseguimos, por quê?
Ao mesmo tempo, por outro lado, a RBS, que não pode dar espaço à Igreja Católica, escreve uma extensa reportagem, cheia de entrevistas e depoimentos, para tentar desacreditar nossa fé católica.

Até aí tudo bem, pois não estão comprometidos com nossos valores. Sei qual a lei que rege as escolhas de pauta e tudo mais. Mas, porque os termos usados não correspondem à verdade? Cito um:
“…absorver uma série de costumes, SUPERSTIÇÕES??? e narrativas de origem católica…”
Lembro-me de já ter lido reportagens na Zero Hora, sobre ateísmo, por exemplo, com um tom de defesa.

Não quero defesa da Igreja, pois os seus santos e, sobretudo, a Graça e a providência de Deus sempre deram “conta do recado”, em todos os tempos e lugares (poderia argumentar muito mais sobre isso, mas não é o caso).

Poderiam ao menos manifestar um maior compromisso com a verdade e tentarem ser imparciais. A “coitada” da menina que aceitou dar entrevista, ou se contradiz ou teve suas palavras e expressões distorcidas.

Bom, paro por aqui porque meu objetivo não é rebater cada aspecto contraditório da reportagem. Só quero levar a um questionamento.

Aos católicos, contudo, vale lembrar as palavras de Jesus:
“Aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus.” (Mt 10,32)

Se não assumimos a fé na sua integridade, pessoalmente e com convicção; e não orientamos nossa vida nessa direção, negamos a Cristo. E com isso, podemos perder o Céu e afastar, quem sabe, os mais fracos na fé.

Já chegou o tempo em que a opção de viver a fé não admite incoerências. Na verdade, esse tempo é sempre presente.

 

Pe Lucas Peres

Deixe uma Resposta